Peelings Químicos

Cosmiatria > Peelings Químicos

Peelings Químicos

O Peeling Químico é uma técnica usada para melhorar a aparência da pele. Uma solução química é aplicada na pele, provocando a sua separação, descamação e o surgimento de uma nova pele mais lisa e menos enrugada que a pele antiga. E ela ainda pode ser igualada na cor.

O uso de ácidos pode auxiliar no tratamento de manchas na face como o melasma e melanoses, atenuar sinais de envelhecimento da pele e rugas finas, contrair os poros abertos, e ainda controlar a oleosidade na face e diminuir cicatrizes de acne superficiais. O uso dos ácidos sobre áreas de estrias também pode atenuar as lesões.

Os ácidos mais usados são: retinóico, salicílico, glicólico, lático, tricloroacético e mandélico.

Os peelings químicos podem ser superficiais, médios e profundos. Os resultados são mais aparentes quanto mais profundos, assim como aumentam também os riscos e o desconforto durante o peeling e no pós-peeling.

Bons resultados podem ser obtidos com vários peelings superficiais seriados, realizados a pequenos intervalos. A descamação subsequente costuma ser fina e não chega a atrapalhar o dia a dia. Os peelings superficiais melhoram a textura da pele, clareiam manchas e atenuam rugas finas, além de estimular a renovação do colágeno que dá melhor firmeza à pele.

Os peelings médios provocam descamação mais espessa e escura, necessitando cerca de 7 dias para retorno à vida normal, porém são mais indicados quando a pele já apresenta asperezas como as ceratoses (lesões pré-cancerosas) e rugas mais pronunciadas.

Os peelings médios renovam a camada superficial da pele, clareando manchas e alterações de superfície da pele, como rugas, algumas cicatrizes de acne e as ceratoses.